Afinal, ainda existem os estilos de aprendizagem?

05/06/2018
Posted in Trabalho
05/06/2018 Felipe Menhem

Afinal, ainda existem os estilos de aprendizagem?

Somente para nos fazer pensar um pouco, o The Atlantic fez uma matéria super interessante sobre o “mito” dos estilos de aprendizagem. Ela propõe discutir se ainda é válida a teoria popular de que as pessoas têm estilos de aprendizagem e no modelo VARK, desenvolvido nos começo dos anos 90 pelo professor neo-zelandês Neil Fleming. A resposta é direta: não.

VARK – acrônimo de Visual, Aural, Read/Write e Kinesthesic – identifica qual é a melhor forma de aprendizagem de uma pessoa: visual, auditivo, leitura/escrita ou cinestético. Esses questionários são o sonho de qualquer educador ou provedor de conteúdo. Imagine customizar a experiência para cada pessoa de modo que ela aprenda mais rápido?

No entanto, segundo a matéria, pesquisas recentes indicam que não é assim que as coisas funcionam.

Primeiro, um estudo feito por Polly Husmann, professora da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos. Nele, 426 alunos e alunas fizeram o teste VARK e, baseado em seus resultados, receberam dicas de estudos relacionados ao estilo de aprendizagem. A conclusão? As pessoas não estudavam de uma forma que se relacionava ao seu estilo e, aquelas que adaptaram o estudo não tiveram melhoras nas provas.

Outro estudo, este publicado em 2017 no British Journal of Psychology, descobriu que estudantes que preferem aprender de maneira visual pensam que podem lembrar melhor de imagens, ao passo que aqueles que aprendem verbalmente acham que lembram melhor de palavras. Porém, essas preferências não tiveram correlação com o que lembraram no final: palavras ou imagens. Nesse caso, “estilo de aprendizagem” significou que os alunos gostam mais de imagens ou palavras, e não que elas funcionem melhor para suas memórias.

Em um contraponto, um paper do Journal of Educational Psychology mostrou que aquelas pessoas que aprendem de forma visual tiveram melhores resultados em testes de leitura e testes auditivos. Os autores concluíram que os professores devem parar de tentar direcionar algumas lições para “aprendizes auditivos”. “Educadores podem estar prestando um desserviço aos aprendizes auditivos acomodando continuamente seu estilo de aprendizagem auditivo, em vez de se concentrarem em fortalecer as habilidades visuais dos seus alunos”, foi a conclusão.

E o que isso tem a ver com a gente?

Bem, muita coisa. Como falamos acima, em qualquer experiência de aprendizagem que desenvolvemos, seja um e-learning ou uma dinâmica em um evento, queremos (ou precisamos?) fazer com que o conteúdo atinja todas as pessoas. Se for de maneira personalizada, ainda melhor.

No entanto, não depende só da boa vontade. Se as pessoas já têm seus hábitos e práticas de estudo e aprendizagem já formados e isso é difícil de quebrar, as organizações também têm seus ambientes, políticas e condições. Os projetos têm limitações.

Por isso, considerando o cenário que a matéria nos traz, onde todo mundo consegue pensar e aprender em palavras e imagens, é muito melhor afirmar que todos nós temos uma caixa de ferramentas de “maneiras de pensar” e que vamos escolher a melhor maneira de usar as ferramentas.

Dessa forma, enquanto criadores e curadores de conteúdo, a melhor solução é dar opções e recursos para que as pessoas façam a imersão no conteúdo, cada uma a sua maneira. Afinal, o foco no material a ser estudado ainda é a coisa mais importante, segundo Polly Husmann.

Ah, uma mea-culpa: assim como no texto, eu achei que não entendi nada de química no ensino médio porque tinha um estilo diferente de aprender. Na verdade, foi desinteresse mesmo.

Comments (2)

  1. GLAUCO DE ARRUDA BARLEBEM

    Muito bom o texto! Muito bom! Venho questionando essa classificação VARK há tempos.

  2. Heri

    Boa tarde, e em relação às crianças? Elas tem uma forma especifica de aprender ou é mito também?

Leave a Reply

Your email address will not be published.