Como será a aprendizagem no futuro (Parte 1 de ?)

09/03/2020 Marcos Arthur

Como será a aprendizagem no futuro (Parte 1 de ?)

Nos últimos tempos, ouvimos com frequência alguém falar sobre o futuro do trabalho ou sobre as competências necessárias para manter uma ocupação nos próximos anos, isto é, as habilidades para o futuro (1), já que os empregos como os conhecemos tendem a desaparecer. Nós mesmos vimos tratando desses temas de forma recorrente aqui na 42formas, seja por meio de vídeos, posts, papos com cerveja ou oficinas/workshops.

Partindo dessa inquietação, passei a me perguntar com mais frequência como será a aprendizagem no futuro e intensifiquei meus estudos a respeito do tema, procurando alternativas aos modelos tradicionais e à visão da tecnologia como panaceia da educação. Iniciei uma série de diálogos, encontros, cafés, leituras e participações em eventos de toda sorte na busca por uma luz e comecei o ano cedo, bem antes do Carnaval.

Uma das paradas que fiz nessa jornada (2) foi uma imersão em aprendizagem ágil, promovida pelo ALC São Paulo na Fazenda Furquilha, um lugar incrível que fica nos arredores de Monte Alegre do Sul (SP) e próximo de Amparo (também SP). A experiência foi tão impactante que logo em seguida entrei para a Organização e passei a fazer parte da rede internacional (ALC Network).

GIF com participantes da Imersão na Fazenda Furquilha em frente a uma árvore ao final do evento.

Imersão em aprendizagem ágil na Fazenda Furquilha

O que é um ALC

Um ALC – Agile Learning Center (Centro de Aprendizagem Ágil) – é uma organização cujo propósito reside em restaurar a alegria de aprender por meio de três pilares:

  • Autodireção – humanos aprendem naturalmente e, ao seguir suas paixões, o engajamento é imediato e profundo, proporcionando processos de aprendizagem mais eficientes, com resultados mais eficazes. Assim, é possível aprender em semanas o que levaria anos.
  • Cultura Intencional – as pessoas sentem que são ouvidas e criam real senso de pertencimento, fazem real diferença; como criaturas sociais, prosperam em um ambiente que constrói confiança, aprimora habilidades de comunicação e as estimula a trazerem a melhor versão de si.
  • Ferramentas de Gerenciamento Ágil – o uso de ferramentas práticas e concretas torna possível o atingimento desses ideais de forma real e confiável. Essas ferramentas proporcionam feedback visível, autogerenciamento efetivo, claridade de propósito e fácil integração de novos elementos conforme a necessidade.

O primeiro ALC foi criado em 2013, na cidade de Nova Iorque e, hoje, a proposta já se espalha por mais de 50 iniciativas em todo o mundo.

 

O ALC São Paulo

Pioneira no Brasil, a organização paulistana foi fundada em 2018 e já promoveu vários eventos pelo Brasil que vão desde bate-papos on-line até workshops e imersões para disseminar a cultura da aprendizagem ágil e plantar a semente da autodireção, valorizando o potencial humano de crescimento e desenvolvimento independente da educação formal.

 

O que isso tem a ver com a aprendizagem no futuro

Imagine-se sem as amarras tradicionais do dia a dia de trabalho, em um ambiente agradável e cercado por pessoas que inspiram real confiança. Cada uma delas é dotada de conhecimentos interessantes diversos e está disposta a compartilhá-los, sem medo de errar. Melhor ainda, elas celebram o erro como parte fundamental do processo de aprendizagem. Captou?

Isso é mais ou menos o que aconteceu durante a imersão. Usando as ferramentas ágeis do ALC, os participantes podiam fazer pedidos e ofertas que alimentavam uma espécie de rede de aprendizagem informal levando em conta não somente as habituais questões intelectuais, mas também afetivas, espirituais e corporais, isto é, respeitando a integralidade humana. Para alguns, ainda muito apegados ao modelo tradicional, isso pode soar estranho, mas a verdade é que não há aprendizado real sem conexões emocionais – se você tem dúvidas a respeito disso, faça o teste que proponho ao final.

Participantes da Imersão em um grande salão montando a agenda de atividades.

Imersão: montagem de agenda

Para falar um pouco sobre tecnologia (aquela panaceia, lembra?): claro que ela foi utilizada. Tínhamos flip charts, canetões, folhas de sulfite, post-its e canetinhas de cores variadas; mas nada de AR ou VR, sequer telões e projetores. Apenas confiança, engajamento e celebração do erro, o que se traduziu em senso de comunidade suportado por outro tipo de recurso: a tecnologia social.

Não estou propondo prescindir de outros tipos de tecnologias. Quando disponíveis, elas podem ser de grande valia para a aprendizagem, ágil ou não. Apenas vale refletir: quando e quanto estão disponíveis? Quando e quanto são realmente necessárias?

Pensando na aprendizagem no futuro, é fácil imaginar que teremos máquinas capazes de nos transmitir conhecimentos durante o sono – e pode ser que tenhamos. Porém, em um mundo cujos recursos tecnológicos materiais de ponta não estejam disponíveis para todos, o que fazer? E, ainda que estejam, serão capazes de substituir o nosso ser social, as nossas paixões, a nossa naturalidade e a nossa vontade de aprender aquilo que realmente nos interessa?

Neste ponto da jornada, estou convencido de que, no futuro, a aprendizagem será mais ágil e mais conectada, não por meio de fios e aparelhos, mas por meio de pessoas e compartilhamentos. A tecnologia estará lá, é claro, mas apenas servindo à camada anterior, como recursos facilitadores, não como soluções (3). Donde concluo que os elementos para a aprendizagem no futuro já estão no presente há bastante tempo, só falta compreendermos sua essência e resgatar a aprendizagem como um processo natural, social e apaixonante. Obrigado, Isabella Bertelli, Juliana Machado e Suzana Verri, pelo vislumbre.

E você, como enxerga a aprendizagem no futuro?

Num próximo texto, falarei sobre como a autogestão pode influenciar tudo isso.

Notas

(1) Tem sido comum as pessoas falarem de competências ou habilidades “do” futuro para se referirem àquelas que serão necessárias no enfrentamento dos próximos estágios do mundo VUCA (Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo). Nós, da 42formas, preferimos usar “para o” futuro, entendendo que essas habilidades já existem há tempos, ainda que precisem receber atenção especial daqueles que aprendem e daqueles que trabalham pela aprendizagem.

(2) Este texto inaugura uma série de relatos dessa jornada de tempo indeterminado na busca por uma aprendizagem com real significado para as pessoas de hoje e de amanhã.

(3) É frequente o uso da expressão soluções de aprendizagem para referência a recursos tecnológicos que, em tese, resolvem problemas nesse campo. Eu mesmo já a utilizei várias vezes, em diferentes contextos. Depois de muito refletir, cheguei à conclusão que a aprendizagem, em si, é um processo essencialmente humano e, nesse sentido, a tecnologia serviria mais ao propósito do acesso, o que de forma alguma diminui sua importância.

Teste: aprender exige uma conexão emocional?

É comum acreditarmos que a aprendizagem passa exclusivamente pela nossa capacidade de racionalizar processos. Porém, a psicologia cognitiva (Piaget, VygotskI) e a neurociência há muito já falam sobre como a emoção é fundamental no processo de retenção da informação. Por meio deste teste simples, você pode tirar suas próprias conclusões. Vamos lá?

  1. Selecione dois temas, um sobre o qual você tem amplo interesse (seja qual for a razão) e outro sobre o qual você não tem.
  2. Sobre o primeiro tema, tente estudar algo que você não sabe a respeito; sobre o segundo, tente estudar qualquer coisa. Você pode ler textos, assistir a vídeos, ouvir podcasts… Faça como se sentir mais confortável, apenas procure usar o mesmo tipo de recurso para ambos os temas, para não influenciar diferentes sentidos.
  3. Depois de uma semana, tente se recordar o máximo do que leu, viu ou ouviu sobre cada um dos temas. Se quiser, faça anotações, para ter um feedback visual.
  4. Compare as informações e avalie os resultados. Tente identificar por que você se recorda dessa ou daquela informação.

Claro que esse teste é bastante raso e provavelmente não vai levar você a nenhum “eureka” (se levar, ótimo!), mas vai pelo menos trazer uma noção do aprendizado gerado pelo engajamento (fator inevitavelmente emocional) e dar uma ideia do potencial da aprendizagem autodirigida.

Que tal começar agora esse teste de autoconhecimento? Vá em frente e volte para comentar seus resultados com a gente!

Você também encontra a 42formas nas redes sociais:

Se preferir, comente por lá! 🙂

, , , ,

Comments (4)

  1. Eu sou parte de uma equipe.
    Então, quando venço,não sou eu apenas quem vence. De certa forma, termino o trabalho de um grupo enorme de pessoas.

    • Marcos Arthur

      Muito pertinente, Debora! Um dos princípios da agilidade é pensar também como time, não apenas como indivíduo. 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *